Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Recuo da produção industrial

 

Manaus, 16 de Agosto de 2022

 As variáveis econômicas sobre a indústria nacional, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), confirmaram queda na produção de 0,4% no mês de junho em relação a maio, interrompendo quatro meses dc altas consecutivas. Km relação a junho de 2021, o desempenho caiu 0,5% e na comparação do primeiro semestre deste ano com o mesmo período do ano passado, o recuo foi dc 2,2%.

Essas variáveis demonstram que a inflação alta, a taxa de juros elevada, o crédito mais restrito e mais caro, bem como a diminuição da renda familiar impactaram fortemente no desempenho econômico brasileiro. A indústria amazonense também foi afetada por esses fatores, além da persistente e grave escassez e alto custo de aquisição dos insumos nacionais e externos. Conforme relatório da pesquisa Indicadores Industriais, realizada pela parceria CNI/FIEAM (Confederação Nacional da Indústria/Federação das Indústrias do Estado do Amazonas), a amostra dc médias e grandes empresas do Estado do Amazonas revelou também um recuo de 20,9% no faturamento de por esses fatores, além da persistente e grave escassez e alto custo de aquisição dos insumos nacionais e externos.

Conforme relatório da pesquisa Indicadores Industriais, realizada pela parceria CNI/FIEAM (Confederação Nacional da Indústria/Federação das Indústrias do Estado do Amazonas), a amostra dc médias e grandes empresas do Estado do Amazonas revelou também um recuo de 20,9% no faturamento de junho deste ano em relação ao mês anterior. A queda é maior ( 35,8%), quando se compara o faturamento em junho de 2021 com o mesmo mês deste ano; entre os primeiros semestres, a baixa foi de 2%.

Esses dados comprovam as dificuldades enfrentadas pela indústria local ainda mais se a isso somarmos os constantes ataques que sofre o projeto Zona Franca de Manaus (/FM) e os percalços que certamente ainda serão sentidos durante este ano eleitoral, quando os investimentos e geração de empregos sofrem drástica redução, na expectativa de que, ao fim das eleições, o vencedor do pleito defina as bases e as linhas de ação de sua política econômica.

É um tempo perdido no mundo dos negócios, essa contenção de iniciativas empresariais, em que o setor privado espera a definição do governo para planejar sua própria atuação. Mesmo assim, somos otimistas quanto à resiliência do nosso empresariado e do povo em geral, acreditando que mais uma vez haveremos de superar esses óbices e alcançar um desempenho satisfatório na indústria local e nacional, bem como na trajetória positiva da economia brasileira.

Por isso o setor industrial brasileiro por meio da CNI elaborou o Mapa Estratégico da Indústria 2023 2033, documento que aponta os caminhos e metas a serem atingidas até o final da próxima década, apostando num modelo que envolva prioritariamente o desenvolvimento sustentável e a inovação tecnológica para crescer competitivamente na produção industrial.

Esperamos que essa visão de longo prazo, tão necessária para a elaboração de políticas públicas, seja considerada pelos governantes e parlamentares que democraticamente serão eleitos no próximo pleito, a fim de que a indústria e a economia brasileira sejam efetivamente fortalecidas na sua competitividade. Aproveito e parabenizo o Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM), pelos 43 anos completados no dia 10 do corrente mês, período ininterrupto de luta pelo desenvolvimento industrial amazonense.

Share this post :

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Últimas Notícias
Categorias

Receba novidades!

Inscreva-se em nosso newsletter e fique por dentro das novidades.

error: Conteúdo Protegido!