Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Expectativa positiva

20 DE JANEIRO DE 2015

 Este ano para alcançarmos um crescimento mais satisfatório vai ser preciso muito trabalho e em momentos de crise as oportunidades de sucesso, apesar de mais raras, aparecem como chances primorosas e inacreditáveis. Muito do que acontece na economia é fruto da expectativa que se forma sobre o futuro, sobre aquilo que esperamos que aconteça nas ações do mercado, por isso é importante colaborar para um ambiente positivo de negócios.

Essa contribuição deve ter como prioridade três elementos indispensáveis, emprego, renda e crédito. Na verdade, a falta de crescimento da economia brasileira, no meu ponto de vista, foi e continua sendo ocasionada pela política equivocada de beneficiar as importações de produtos acabados, em detrimento da oferta da indústria nacional, reduzindo alíquotas de imposto de importação (II) e de produtos industrializados (IPI) das mercadorias vindas do exterior. Essa política prejudica tanto o Polo Industrial de Manaus quanto o Brasil. O mercado brasileiro sempre teve uma demanda forte, favorecida por níveis reais do salário em crescimento e nível alto de emprego, entretanto foram sendo eliminadas gradativamente e continuadamente as condições de competitividade da indústria, o que levou a um processo de estagnação dos investimentos e de expectativa negativa sobre as condições da economia interna.

Para que se volte a crescer com maior vigor, precisamos aumentar os investimentos em infraestrutura e educação. Torna-se crucial, eliminarmos gargalos tanto na produção quanto na distribuição dos produtos, tanto no avanço tecnológico quanto na qualidade, elementos indispensáveis para o ganho de competitividade. Não é impossível conciliar política monetária com as políticas cambial, fiscal, salarial e social. Por isso, devemos dar um crédito à disposição da nova equipe econômica em tentar reduzir os desequilíbrios e criar os meios necessários para que volte a crescer o investimento público, o privado e o PIB.

O ano se inicia com expectativas mais animadoras para aqueles que são otimistas e sabem aproveitar as oportunidades que aparecem. O Governo Federal por fim coloca na direção certa o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, nomeando para comandar este importante indutor do desenvolvimento um homem de capacidade já provada e grande conhecedor das dificuldades e necessidades do setor industrial brasileiro, por ser um elemento oriundo da classe empresarial e político de grande atuação. Temos fé de que o Ministro Armando Monteiro, com o apoio da Presidenta Dilma, será capaz de possibilitar as condições necessárias para que a indústria brasileira resgate a competitividade e nos livre da trajetória do vôo de galinha da nossa indústria. A galinha, quando consegue voar, não se suporta no ar por uma distância muito maior e com mais tempo. Cremos em vencer as dificuldades deste ano, para que consequentemente o Modelo Zona Franca de Manaus receba os reflexos de uma trajetória econômica bem-sucedida do Brasil.

Antonio Silva – Presidente da FIEAM

Share this post :

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Últimas Notícias
Categorias

Receba novidades!

Inscreva-se em nosso newsletter e fique por dentro das novidades.

error: Conteúdo Protegido!