Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Encontro Nacional da Indústria

11 DE NOVEMBRO DE 2014

 Tivemos em Brasília dois dias no 9º Encontro Nacional da Indústria vislumbrando o futuro e refletindo sobre o que deve ser feito, para que a economia brasileira cresça com consistência. O tema principal foi “A Indústria e os próximos quatro anos”. Foram discutidos os desafios que o setor industrial e o Brasil deverão enfrentar e quais as condicionantes principais para melhorar a competitividade do setor produtivo e o crescimento sustentável da economia brasileira. Para isso, torna-se imperativo o planejamento de um programa crível com um conjunto de medidas que deverá ser colocado em prática o mais rápido possível, objetivando o retorno do crescimento da nossa economia, com ênfase na priorização de uma política econômica com foco nas áreas fiscal, salarial, cambial e monetária. Um programa bem planejado com começo, meio e fim, com transparência e propostas concretas de medidas que acelere o crescimento, combata a inflação e observe rigorosamente a responsabilidade fiscal.

Com o propósito de contribuir para que o Brasil volte a acelerar o crescimento, foram apresentadas 42 propostas pela Confederação Nacional da Indústria ao Governo Federal, com enfoque principal no aumento da competitividade da produção, eliminação dos gargalos que impedem o avanço e a penetração dos nossos produtos nos mercados internacionais. Deveremos investir em infraestrutura, educação de qualidade e inovação. Avançar sem perder o que foi conquistado na área socioeconômica e, principalmente, recuperar a competitividade da indústria aumentando a produtividade das empresas e adequando a politica tributária e fiscal às necessidades do crescimento com segurança jurídica, a fim de que os empreendedores tenham a confiança necessária para investir e criar mais empregos, gerando riquezas e distribuição de renda.

O compromisso firmado pelo ministro Aloizio Mercadante para discutir essas 42 propostas e avançar nos entendimentos que abrirão oportunidades para o desenvolvimento e crescimento do país e em particular da indústria brasileira, é um bom sinal. O Modelo Zona Franca de Manaus também se insere neste contexto, por representar importante polo de produção industrial capaz de fazer a diferença na substituição de importações e no desenvolvimento de tecnologia de ponta. Por isso, é imprescindível a inclusão da ZFM no planejamento de desenvolvimento do país, disponibilizando os recursos necessários para o seu funcionamento e desenvolvimento social e econômico, que se irradia para toda Amazônia Ocidental. Torna-se primordial valorizar o corpo técnico administrativo da SUFRAMA, aparelhando-a e fortalecendo a sua atuação como órgão gerenciador desse exitoso modelo, que contribui para a economia nacional e preserva uma das maiores reservas florestais do planeta, fator importante nas mudanças climáticas do mundo. O CBA também necessita que sua situação seja definida, para ser o agente do desenvolvimento da pesquisa biotecnológica para o qual foi criado. Unamo-nos para alcançarmos esses objetivos.

Antonio Silva – Presidente da FIEAM

Share this post :

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Últimas Notícias
Categorias

Receba novidades!

Inscreva-se em nosso newsletter e fique por dentro das novidades.

error: Conteúdo Protegido!