Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Efeitos danosos do aumento do ICMS

22 DE AGOSTO DE 2017

 Sabemos que aumentar imposto não resolve a situação fiscal do Estado provocada pela grave crise econômica que atravessamos. Pelo contrário, a oneração de imposto prejudica a atividade econômica que ainda não manifesta sinais de retomada. No entanto, em 31 de março fomos surpreendidos com a sanção da Lei 4.454 que eleva em 2% a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre 13 produtos considerados supérfluos, incluindo combustíveis.

A medida prejudica a sociedade amazonense, que enfrenta alta taxa de desemprego, teve diminuída a oferta de crédito, com a redução da renda e do consumo, elevando o endividamento. Ou seja, um ciclo vicioso e nefasto para o ambiente econômico a inibir o investimento.

Antes de elevar os encargos sobre a produção e o consumo, é necessário cortar gastos, diminuir o desperdício e tornar a máquina pública eficiente naquilo que compete ao Estado brasileiro: a segurança, a saúde e a educação.

Sem entrarmos mais profundamente no mérito da decisão do governo, sobre a constitucionalidade da matéria, esta majoração do imposto em um período de extrema dificuldade, em especial sobre alguns itens como combustíveis, por exemplo, encarece toda a atividade econômica, em cadeia.

Por isso, vemos como alento a iniciativa do deputado Sabá Reis de propor, juntamente com a maioria dos deputados, ao Govenador David Almeida que mande a Assembleia Legislativa mensagem revogando a lei que criou o adicional de 2% de ICMS.

Essa medida é importante para o nosso futuro num mundo competitivo em que todos os estados podem conceder incentivos fiscais de ICMS.

Dirijo-me ao Governador David Almeida, a quem cabe esta iniciativa legislativa, no sentido de que envie projeto de lei revogando o adicional de 2% de ICMS para setores que não são supérfluos, mas que foram considerados como tal. Isso gerou insegurança jurídica e tornou-se um ponto negativo na atração de novos investimentos.

O momento é inadequado.  Não podemos comprometer a competitividade dos nossos produtos, hoje já bastante ameaçados pelos importados. Aumento do imposto onera o produto final. Traz ainda outro efeito danoso para nossa economia, porque gera insegurança jurídica, gera dúvida no investidor.

O aumento de tributo reduz o consumo e traz desemprego para indústria e comércio. Não é bom para o momento. Ao invés de aumentar a arrecadação, vamos desestimular a atração dos investimentos, a única forma de elevarmos a renda e o emprego e a consequente geração de receita.

Deveríamos procurar formas de estimular o investimento de longo prazo e tentar reanimar as empresas que vieram para o Amazonas, atraídos pelos incentivos fiscais, no modelo de desenvolvimento econômico regional de maior resultado do país.

A elevação de receita com a comodidade do aumento dos tributos, volto a insistir, tem efeito danoso para a própria arrecadação no médio e longo prazo.

Antonio Silva – Presidente da FIEAM22

Share this post :

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Últimas Notícias
Categorias

Receba novidades!

Inscreva-se em nosso newsletter e fique por dentro das novidades.

error: Conteúdo Protegido!